Geral

Atendimento de urgências reforçado com novas UPAs e ambulâncias

["Na imagem, atendimento na UPA CIC"] (Foto: Valdecir Galor/SMCS)

Em dois anos de gestão, Curitiba teve grandes avanços na Saúde, como a regularização do fornecimento de medicamentos e insumos e a recontratualização com os hospitais prestadores de serviço do SUS. Na área da Urgência e da Emergência, a cidade ganhou duas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs), com a reabertura da UPA CIC, em agosto do ano passado, e a inauguração da UPA Tatuquara, em maio de 2017.

Com mais essas duas unidades à disposição dos curitibanos, houve um aumento de 28% na capacidade de atendimentos de urgência e emergência médicas municipais, quando comparado a janeiro de 2017 – um incremento de até 25.500 atendimentos mensais na rede.

A UPA CIC é a primeira unidade a funcionar num modelo de gerenciamento por organização social (OS) em Curitiba, o que permite uma economia mensal de R$ 408.651,00 aos cofres municipais, em relação ao modelo tradicional. O custo mensal é de R$ 1,6 milhão – 19,5% a menos –, sendo que os serviços e a estrutura são os mesmos das demais unidades de mesmo porte.

Outra vantagem é a maior rapidez na contração de funcionários, serviços e compra de materiais e insumos, adequando mais rapidamente a estrutura do serviço à demanda do momento por atendimento. “Este modelo é uma inovação importante para a rede de urgência e emergência de Curitiba, pois traz agilidade, com menos custos e a mesma qualidade”, explica a secretária municipal da Saúde, Márcia Huçulak.

Renovação da frota do Samu

O prefeito Rafael Greca renovou 85% da frota operacional do Samu. Quando ele assumiu o cargo, a frota de ambulâncias estava envelhecida e sem manutenção. Atualmente, o Samu conta com 27 ambulâncias na frota operacional, cinco a mais que no início da atual gestão.

Também na área de Urgência e Emergência, houve a implantação de novos fluxos de atendimento, em agosto de 2017, resultando na melhora de procedimentos e protocolos, ampliando os critérios de atendimento hospitalar das situações mais graves, o que garante o atendimento adequado no tempo certo, no lugar certo e na hora certa.

Em dezembro de 2018, a Prefeitura investiu R$ 658 mil de recursos próprios em equipamentos para as UPAs. Entre os aparelhos, foram entregues ventiladores pulmonares (para suporte à vida quando há insuficiência pulmonar), camas-macas com rodas e monitores multiparamétricos (para monitorar sistemas vitais dos pacientes).