Política

“Chega”

Professor Oriovisto Guimarães ontem em entrevista coletiva (Foto: Divulgação)

Em entrevista coletiva ontem, em Curitiba, o Professor Oriovisto Guimarães, pré-candidato ao Senado, disse que é o momento de dizer “Chega!”. “Chega de privilégios políticos, chega de corrupção, chega de o povo não ter saúde, educação e segurança”, falou o professor que estreia na política a convite do presidenciável, Álvaro Dias, ambos do partido PODEMOS.

Oriovisto é um dos empreendedores mais respeitados do estado do Paraná, reconhecido por sua atuação no Grupo Positivo, do qual foi um dos fundadores e presidente durante 40 anos. Ao se afastar das empresas em 2012, deixou o grupo com cerca de dez mil empregados nas áreas educacional, industrial gráfico e de informática.

O pré-candidato ao Senado defende um novo Brasil. Ele acredita que o país do futuro precisa de um combate rigoroso à corrupção, leis claras, orçamento claro, gestão eficiente, produtividade, transparência e resultados práticos que cheguem até a população. “Chega de privilégios, como foro e aposentadorias especiais, chega de políticos voando nos jatinhos da FAB, gastando o dinheiro dos impostos, chega de uma justiça que demora demais para prender corruptos e que solta muitos dos que foram presos”, pontuou o professor.

“Passo a exercitar oficialmente a política, não por vantagens pessoais, ou qualquer outro interesse que não seja o ideal de um país melhor. Acredito que se houver renovação no Congresso Nacional, poderemos realizar as reformas que o Brasil precisa para pegar a estrada do crescimento e desenvolvimento. Chega de ver o dinheiro dos impostos que pagamos todos os dias, quando compramos arroz e feijão ou qualquer outra mercadoria, sendo desviado para as mordomias dos palácios dos governantes ou para as obras superfaturadas”.

Ao defender, mais rigor no uso do dinheiro público, o Professor Oriovisto prega a imediata e efetiva reformas da Previdência, Política, Judiciária e Tributária. “Isso nos levará a uma nova era. Teremos ações de modernização da máquina pública, com uma gestão eficiente e séria. Uma administração responsável nos remetendo a um ciclo de expansão não apenas econômica, mas com reflexos sociais altamente positivos, sem a fragilidade de hoje”, destacou o pré-candidato.

Reforma do Judiciário

O professor avalia que a nossa Justiça precisa ser mais rápida, pois Justiça que demora em demasia, transforma-se em injustiça. “No combate à corrupção, a reforma no judiciário é importantíssima. As penas precisam começar a ser cumpridas com a condenação em segunda instância, isto por meio de uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC), para que não haja mais dúvidas. O foro privilegiado precisa desaparecer”.

Reforma da previdência

De acordo com Oriovisto, a reforma previdenciária é uma necessidade e uma questão matemática. “Em 2017, o déficit da previdência social com os setores público e privado somaram R$ 268,8 bilhões. Como a população está envelhecendo, este déficit tende a aumentar. Em poucos anos, a previdência vai consumir os recursos do governo e que faltará dinheiro para a remuneração dos funcionários públicos, do exército, da marinha, dos médicos, professores e demais profissionais”.

Ele defende ainda a igualdade entre os trabalhadores da iniciativa pública e da privada. “O Brasil é um dos poucos países do mundo onde o funcionário público se aposenta com o salário integral, enquanto que os contribuintes da iniciativa privada se aposentam com valores na média de dois mil reais. Não é porque a pessoa atua na iniciativa privada ou pública que ela merece ter uma velhice melhor ou pior. É preciso respeitar os direitos adquiridos, mas temos que ter uma previdência única, igual para todos”.

Reforma Tributária

O Professor Oriovisto considera que a questão tributária dificulta muito a vida dos empresários. “São impostos demais, mal organizados e mal distribuídos. Para uma empresa recolher os impostos, precisa ter um exército de pessoas trabalhando só para preencher guias, isso precisa ser passado a limpo e simplificado”.

Graduado em Economia, ele analisa que o governo não pode mais aumentar os impostos, uma vez que a carga tributária já é altíssima. Imprimir moeda ou títulos da dívida pública também não seria possível, porque os juros explodiriam e a economia pararia. “A única maneira de obtermos recursos para investir em educação, saúde, segurança e infraestrutura das estradas e dos portos é por meio da economia, da melhor gestão do governo, com corte gastos supérfluos, fim de privilégios, obras sem superfaturamento e combate à corrupção. Se isto for feito, haverá recursos para tudo que necessitamos e ainda sobrará até para pagar as dívidas do governo”.

O professor disse que esta prática, dos privilégios e da corrupção, desencantou o brasileiro que já não acredita nos políticos. O povo precisa retomar o poder, com representantes honestos que trabalhem pelo povo. O artigo 1º da nossa Constituição, em seu parágrafo único, diz que Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição”.

Na opinião de Oriovisto, a eleição é a grande oportunidade de o povo mudar o Brasil. “Chega de não termos segurança, saúde, transporte público, educação pública e gratuita de qualidade. Chega de sermos procurados, como eleitores, só na hora da eleição e depois sermos esquecidos como cidadãos. Podemos trocar os 513 deputados federais e 54 senadores, mudar o Brasil”.

O pré-candidato considera que os brasileiros precisam votar de forma consciente, pesquisar a vida dos candidatos e cobrá-los depois das eleições. “Ninguém deve ficar indiferente nas próximas eleições. Se conformar e não fazer nada é uma forma de concordar com tudo o que de ruim tem acontecido na nossa política”.

Como está a disputa
Nas eleições deste ano serão duas vagas para o Senado e cada paranaense poderá votar em dois nomes. Os pré-candidatos são os ex-governadores Beto Richa (PSDB) e Roberto Requião (MDB); Professor Oriovisto (PODEMOS), Deputado Federal Alex Canziani (PTB); Deputada Federal Cristiane Yared (PR); Deputado Federal Delegado Francischini (PSL); ex-senador Flávio Arns (Rede); servidora pública estadual Jacqueline Parmegiani(PSOL); ex- vice-prefeita de Curitiba, Mirian Gonçalves (PT); Deputado Estadual Ney Leprevost (PSD); servidor público estadual Rodrigo Tomazini (PSOL); Deputado Federal Takayama (PSC); ex- Deputado Federal Wilson Picler e ex-vereador de Santa Cruz de Monte Castelo Zé Boni (PRTB).

---------------------------------------------------------------------------------------------------------

“Ninguém deve ficar indiferente nas próximas eleições. Se conformar e não fazer nada é uma forma de concordar com tudo o que de ruim tem acontecido na nossa política”.

--------------------------------------------------------------------------------------------------------

“Chega de não termos segurança, saúde, transporte público, educação pública e gratuita de qualidade”.

----------------------------------------------------------------------------------------------------------

O grande desafio do Professor Oriovisto agora é se tornar conhecido no estado do Paraná. Para isso, ele já mantém um site oficial e também está nas mídias sociais:

www.professororiovisto.com.br

www.facebook.com/professororiovisto/

www.instagram.com/professororiovisto/

www.youtube.com/channel/UCGVns5EG38qfdFa-FV7ECjQ