Paraná

Estado inaugura sede própria da Divisão de Combate à Corrupção

Governadora Cida Borghetti inaugurou a estrutura própria da nova divisão, que foi criada por decreto, em 5 de maio. Unidade é da Polícia Civil do Paraná e integrada pela Polícia Militar, Receita Estadual e Controladoria do Estado. Já há atividades em andamento. Cida disse que o Paraná registra um grande avanço. “Não vamos tolerar desvio de conduta de forma alguma.
(Foto: ANPr)

A governadora Cida Borghetti inaugurou nesta quarta-feira (04) a sede da Divisão de Combate à Corrupção. A estrutura fica na rua Deputado Mário de Barros, no Centro Cívico, em Curitiba, e dará melhores condições de trabalho aos profissionais que atuam na Divisão. Criada por decreto da governadora, em 5 de maio deste ano, a unidade é da Polícia Civil do Paraná e integrada, também, pela Polícia Militar - incluindo a polícia ambiental e rodoviária, pela Receita Estadual e Controladoria do Estado. O trabalho é o combate a crimes econômicos e contra a administração pública.

Cida disse que, com a integração das forças de segurança e outros órgãos estaduais e a criação do espaço para a Divisão de Combate à Corrupção, o Paraná registra um grande avanço e se coloca como exemplo para o Brasil. “Não vamos tolerar desvio de conduta de forma alguma. A população está cansada de tantos desvios e não tenho dúvida de que vai colaborar muito com a equipe desta nova Divisão. Onde vou procuro divulgar os canais de denúncias. Infelizmente convivemos com a corrupção não só no serviço público, mas também no privado, e chegou a hora de dar um basta”, afirmou a governadora. “É importante salientar que o combate à corrupção é também a melhor maneira de buscar equilíbrio financeiro do Estado”, disse Cida.

A nova divisão engloba o Núcleo de Repressão a Crimes Econômicos (Nurce) e coordena as ações de combate a corrupção. Com a criação da Divisão, dois núcleos no interior foram incorporados à nova unidade, um em Foz do Iguaçu e outro em Maringá. O próximo passo é ativar equipes em Londrina e Cascavel.

INQUÉRITOS - Segundo o secretário de Segurança Pública, Júlio Reis, a nova estrutura também dará mobilidade para receber tratativas de outras unidades e preparação de operações. De acordo com ele a Divisão tem várias atribuições e atividades já em andamento.

“Existem inquéritos em andamento, alguns que estavam no Nurce e outros que surgiram com denúncias. Nós temos o canal 181 e também a Controladoria do Estado para que a população faça as denúncias de crimes de corrupção e contra a ordem tributária. Isso proporcionará uma investigação célere. A fonte do trabalho de quem investiga é a informação, por isso precisamos trabalhar em busca da credibilidade para que ela chegue o mais rápido possível para facilitar as investigações”, afirmou o secretário.

CONHECIMENTO ESPECÍFICO - A Divisão de Combate à Corrupção é comandada pelo delegado Renato Figueroa, que até então estava à frente Nurce. Para ele, as parcerias com a Controladoria Geral do Estado, a Polícia Militar, Instituto de Criminalística e a Secretaria da Fazenda trazem resultados mais efetivos nas investigações de combate a corrupção e ordem tributária.

“É uma divisão integrada, que está dentro do departamento da Polícia Civil e conta com outros órgãos. São investigações que demandam conhecimento específico e mais demoradas. As organizações criminosas vêm evoluindo e a polícia tem que evoluir também. E a única forma de ter um trabalho melhor é por intermédio da integração com os outros órgãos”, disse.

PROFISSIONAIS - A Divisão e o Núcleo do Nurce de Curitiba contam com quatro delegados, quatro escrivães, dez investigadores e dois estagiários. Já no Núcleo de Maringá, há uma delegada, que também responde por outras unidades; um escrivão e quatro investigadores. No Núcleo de Foz do Iguaçu, há uma delegada de polícia e quatro investigadores. A Divisão de Combate à Corrupção já conta, também, com 15 viaturas.

PRESENÇAS - Estiveram presentes no evento a comandante-geral da PM, coronel Audilene da Rosa; o delegado-geral da Polícia Civil, Naylor Gustavo Robert de Lima; o chefe da Casa Militar, coronel Maurício Tortato; os secretários de Comunicação, Alexandre Teixeira; da Cultura, João Luiz Fiani, e de Desenvolvimento Econômico, Virgílio Moreira Filho, e o deputado estadual Rubens Recalcati.
BOX
Trabalho conjunto garante mais eficiência ao combate à corrupção
Durante inauguração da nova sede da Divisão de Combate à Corrupção, a governadora Cida Borghetti assinou dois Termos de Cooperação para integrar os serviços da Divisão junto a Controladoria Geral do Estado e a Junta Comercial do Paraná. O objetivo é dar maior eficiência e celeridade as investigações que envolvem empresas e apurações de irregularidades administrativas e criminais recebidas na Controladoria.

Para o Controlador Geral do Estado, Carlos Eduardo de Moura, o trabalho conjunto dá mais efetividade às denúncias e solicitações recebidas pelo órgão. “Nosso material é encaminhado para a Polícia Civil, Ministério Público e Tribunal de Contas. Agora se abre a perspectiva de avançar ainda mais no controle. Agora a sociedade está mais que nunca convocada a participar junto conosco no combate a este problema que tanto traz prejuízo a sociedade”, afirmou.

Os meios para denúncia são o atendimento presencial na sede da Controladoria do Estado, pela internet, com redes sociais e a página oficial da instituição, e o disque- denúncia, feito anonimamente. As informações serão coletadas e levadas para a Divisão de Combate a Corrupção.

A Junta Comercial do Paraná está ofertando acesso controlado ao banco de dados. A ideia é facilitar algumas investigações que necessitem de informações como quadros societários, constituição de empresas e participação em licitações. A Junta Comercial, de acordo com o seu presidente, Ardisson Naim Akel, está integrada no objetivo de simplificar e desburocratizar a vida do cidadão e também permitir uma integração maior e mais eficiente entre os órgãos de Governo.
“Estamos ofertando para a nova Divisão e a Secretaria de Segurança o acesso direto, por meio digital e eletrônico, ao banco de dados. Isso permite uma rápida e fácil apuração dos crimes que envolvem empresas e falsos empresários, que às vezes se utilizam da formação de empresas falsas e uso de laranjas para burlar a lei e prejudicar a população”, disse.