Paraná

Expansão de investimentos deve ter foco no desenvolvimento social

Em reunião com representantes do Sistema Ocepar, o governador Carlos Massa Ratinho Junior pediu que os investimentos planejados por cooperativas para 2019 e para os próximos ciclos tenham como atenção os municípios com menor IDH e que estejam casados com programas que serão lançados pelo governo nos próximos meses
O governador Carlos Massa Ratinho Junior recebe a diretoria da Ocepar - Organização das Cooperativas do Estado do Paraná para celebrar o Dia Internacional do Cooperativismo (Foto: Geraldo Bubniak/ANPr)

O governador Carlos Massa Ratinho Junior recebeu nesta quinta-feira (4) a diretoria do Sistema Ocepar (Organização das Cooperativas do Estado do Paraná) e destacou o desempenho do setor. São investimentos de R$ 2,14 bilhões planejados para 2019 e a marca de 100 mil empregos diretos com carteira assinada. A reunião no Palácio Iguaçu marcou o 97º Dia Internacional do Cooperativismo.

O encontro contou com apresentações sobre o planejamento do Estado na área de infraestrutura para os próximos anos e de linhas de crédito do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE).

O governador pediu que os investimentos planejados para 2019 e para os próximos ciclos tenham como atenção os municípios com menor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) e que estejam casados com programas que serão lançados nos próximos meses, como o Paraná Mais Empregos – incentivo fiscal e tributário na energia para empresas que optarem por plantas em cidades pequenas –, linhas do BRDE com juros menores e da Fomento Paraná para micro e pequenas cooperativas rurais.

“A expansão dos investimentos tem que ser amarrada ao desenvolvimento social. Dentro dos nossos estudos ainda temos 50 cidades muito pobres no Paraná. A ideia é que o cooperativismo possa atrelar a construção de novos empregos nesse mesmo ritmo em regiões onde pequenos investimentos podem mudar uma realidade social”, destacou Ratinho Junior.

Segundo o governador, o Paraná é um Estado de destaque no cenário nacional, principalmente no volume da produção do agronegócio, e isso se deve ao trabalho de décadas das cooperativas. “Estamos muito felizes com esse momento, queremos que as cooperativas cresçam ainda mais e gerem mais empregos. O grande problema do Estado é não ter a velocidade que as cooperativas têm para promover desenvolvimento”, afirmou.

Ele acrescentou que o cooperativismo desenvolve as comunidades do entorno e que isso possibilita dinamismo na economia, acesso a serviços de crédito e saúde, e apoio à formação profissional.

De acordo com o presidente da Ocepar, José Roberto Ricken, a reunião no Palácio Iguaçu reforça a importância do diálogo constante com o governo, além da possibilidade do cooperativismo apresentar suas demandas e receber pedidos estratégicos da administração estadual.

“Ultrapassamos a marca de 100 mil empregos com carteira assinada, então temos um compromisso com o desenvolvimento econômico e social do Estado. O cooperativismo representa uma economia de R$ 85 bilhões ao ano. Essa interação é em benefício do Paraná como um todo”, destacou Ricken.

Nos últimos cinco anos, o setor investiu R$ 11,2 bilhões apenas no Paraná, a maior parte dos recursos destinada à melhoria da atividade produtiva, industrialização, logística de armazenagem e estruturas de serviços e modernização tecnológica. Neste ano, a previsão dos investimentos das cooperativas paranaenses é de R$ 2,14 bilhões nas indústrias de carnes e lácteos (pecuária), processamento de grãos (agrícola), armazenagem e serviços estratégicos. As cooperativas concentram cerca de 65% da produção de grãos e 45% da produção de carnes e lácteos do Estado.

INFRAESTRUTURA E POLÍTICAS PÚBLICAS

O secretário de Infraestrutura e Logística, Sandro Alex, apresentou na reunião o planejamento de concessão de quatro aeroportos (São José dos Pinhais, Curitiba, Londrina e Foz do Iguaçu) pelo Governo Federal, com previsão de aumento da capacidade e do número de voos; a gestão da segunda ponte entre o Brasil e o Paraguai, em Foz do Iguaçu; um pacote de R$ 2 bilhões para recuperação de rodovias; e o novo desenho do Anel de Integração, a partir de 2021, com 4,1 mil quilômetros.

O anel contempla novos trechos, como as rodovias PR-323, PR-280, BR-476, PR-092 e BR-153, e terá leilão na Bolsa de Valores. “A maior concessão do País será no Paraná. O desenho de 4,1 mil quilômetros faz um verdadeiro corredor de exportação e integração com os outros estados. Temos como objetivo divulgar esse leilão para aumentar a disputa, com modelagem composta entre valor da outorga e redução nas tarifas”, afirmou Sandro Alex. Ele completou que essa configuração foi pensada para atender o setor produtivo em toda a sua cadeia.

O governador Ratinho Junior também expôs ao setor a construção do programa Voe Paraná para aumentar voos entre o Interior e a Capital. São pelo menos dez cidades contempladas para facilitar o deslocamento rápido entre agentes do setor produtivo no Estado. Ele falou ainda sobre o planejamento ferroviário e o lançamento do EVTEA (Estudos de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental) da ferrovia entre Dourados-MT e Paranaguá, com recursos do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

O diretor-administrativo da Agência Paraná do BRDE, Wilson Bley Lipski, disse que o banco planeja investimentos de R$ 1 bilhão neste ano no Estado, sendo R$ 300 milhões para gestão pública e R$ 700 milhões para a iniciativa privada. “O BRDE quer participar efetivamente da construção de políticas públicas e o setor cooperativista representa 70% da carteira no Estado. Nós seremos parceiros estratégicos da promoção de desenvolvimento econômico no Paraná”, completou.

OCEPAR

O Sistema Ocepar possui 220 cooperativas registradas em sete ramos de atuação: agropecuário, crédito, saúde, transporte, infraestrutura, consumo e produção de bens e serviços. Juntas, essas organizações somaram, em 2018, R$ 83,7 bilhões de faturamento, montante que equivale a 17,9% do PIB do Estado. São cerca de 1,8 milhão de cooperados e 3,8 milhões de pessoas ligadas direta ou indiretamente.

Dos 399 municípios, em 130 as cooperativas são as principais empresas. Em aproximadamente de 70 deles as cooperativas de crédito são a única instituição financeira. Em dez anos, o número de funcionários das cooperativas paranaenses quase dobrou, com 49.390 pessoas contratadas no período, gerando atualmente 101.228 empregos diretos com carteira assinada, crescimento de 209%.

As 61 cooperativas agropecuárias do Paraná, que representam a maior parte do setor, encerraram o exercício de 2018 com R$ 70,4 bilhões de faturamento. Estima-se que 77% dos associados às cooperativas agropecuárias do Paraná são pequenos e médios produtores.

Segundo a Ocepar, os investimentos em agroindustrialização vêm transformando o Paraná de exportador de matérias-primas para exportador de bens de consumo. Atualmente, cerca de 48% da produção primária do cooperado passa por processos de transformação e agregação de valor.

DIA INTERNACIONAL DO COOPERATIVISMO

“Cooperativas em prol do trabalho digno” é o tema do Dia Internacional do Cooperativismo 2019, divulgado pela Aliança Cooperativa Internacional (ACI). No entendimento da entidade, as cooperativas são empresas centradas nas pessoas e se caracterizam pela autogestão e o controle democrático, priorizando o desenvolvimento humano e a justiça social, gerando empregos e promovendo o trabalho em condições dignas em todos os ramos econômicos em que atuam.

Há 97 anos a ACI celebra o Dia do Cooperativismo, definindo a cada edição um tema de reflexão aos cooperativistas. No mundo, o cooperativismo gera 280 milhões de empregos, o equivalente a 10% dos postos de trabalho existentes.

PRESENÇAS

Estiveram presentes no encontro, além das lideranças da Ocepar, o vice-governador Darci Piana; o secretário do Planejamento e Projetos Estruturantes, Valdemar Bernardo Jorge; o secretário da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara; o diretor-presidente da Agência Paraná Desenvolvimento, Eduardo Bekin; e o deputado estadual Marcel Micheletto.