RMC

Prefeitura de Araucária vai fornecer vacina contra a febre amarela no período da noite

Vacinação no período da noite será na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) e na Unidade Básica de Saúde do Jardim Industrial. Quem já recebeu uma dose da vacina não precisa de outra; já está protegido
(Foto: SMCS)

Visando melhorar a opção de horário para os moradores que ainda não tomaram a vacina contra a febre amarela, a Prefeitura de Araucária, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (SMSA), vai disponibilizar equipes de vacinação no período da noite na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) e na Unidade Básica de Saúde do Jardim Industrial (UBS Dr. Silvio Roberto Skraba). A vacina é destinada a pessoas de 9 meses a 59 anos. Quem já recebeu uma dose da vacina não precisa de outra; já está protegido.

Na UPA, a vacinação ocorrerá de 12 a 15 e também do dia 18 a 22 de fevereiro, das 18h às 21 horas. Já no dia 16 de fevereiro (sábado), a vacinação ocorrerá das 10h às 19 horas. A UPA fica à rua Augusto Ribeiro dos Santos, nº 168, no Costeira. Na unidade básica de saúde do Industrial (rua Andorinha, nº 151, Capela Velha), de 12 a 15 de fevereiro, haverá vacinação contra a febre amarela das 17h às 20 horas.

Araucária não tem casos registrados de febre amarela. E para o município continuar sem casos é que a Secretaria Municipal de Saúde (SMSA) está intensificando a vacinação em todas as unidades básicas de saúde.

Segunda a sexta - Todas as unidades básicas de saúde de Araucária estão realizando a vacinação de segunda a sexta-feira. As senhas da sala de vacinação estão sendo entregues das 8h às 16h30 nas unidades da área urbana e das 8h30 às 16h na área rural. As pessoas que moram/trabalham na zona rural terão atenção especial já que o risco é maior em regiões de mata; incluindo aquelas que buscam cachoeiras e trilhas aos fins de semana. Não há informações sobre a circulação do vírus da febre amarela em Araucária, mas é preciso sempre o alerta já que o mosquito Aedes Albopictus, nativo da região, pode ser um transmissor se for infectado.

Viajantes devem estar atentos à recomendação de vacinação contra a febre amarela (e/ou de circulação do vírus). Quase todo o país está em área onde a vacinação é recomendada para garantir proteção. A dose única deve ser tomada com, no mínimo, 10 dias de antecedência da viagem; tempo necessário para o organismo criar os anticorpos. Há países que exigem dos brasileiros a certificação internacional de vacinação contra a febre amarela. O documento é emitido pela Anvisa com base na comprovação da vacina em carteira de vacinação. Mais um motivo para guardar bem a carteira.

Exceções - Pessoas acima de 60 anos, gestantes, mulheres amamentando, pessoas que apresentam reação alérgica grave a ovo e pessoas com HIV/AIDS devem buscar orientação com os profissionais de saúde para avaliar se a vacinação nesses casos é recomendada ou não. Bebês menores de 9 meses, pessoas que passam por quimioterapia ou radioterapia, transplantados são exemplos de algumas das situações em que a vacina não é indicada. Os profissionais de saúde da unidade básica mais próxima podem esclarecer quaisquer dúvidas sobre quem pode ou não ser vacinado.

Orientações - Assim como os humanos, os macacos também podem ser vítimas da febre amarela. A morte de macacos é um sinal de que o vírus da febre amarela pode estar circulando na região. Por isso, é importante o morador comunicar os órgãos de saúde da existência de macacos mortos (Ouvidoria da Saúde 0800-6437744). A colaboração dos moradores é fundamental para que as equipes de saúde avaliem se há risco ou não da doença na área. É sempre importante lembrar que o ser humano deve se preocupar com a transmissão da doença pelo mosquito. As pessoas não vacinadas, ao frequentarem áreas de matas, podem ser picadas por mosquitos infectados. Macacos infectados pelo mosquito não transmitem a doença para o ser humano e, portanto, não há motivo para que sejam agredidos.

Se o foco é o mosquito, o alerta deve ficar para situações que favorecem a criação de focos, como o acúmulo de lixo. Manter terrenos e habitações limpos ajudam a evitar a transmissão não apenas da febre amarela, mas de outras doenças transmitidas por mosquitos, como a dengue.