Paraná

Seminário vai debater o combate ao tráfico de pessoas no Paraná

(Foto: Departamento Fotográfico - SECS)

A Secretaria de Justiça, Trabalho e Direitos Humanos do Paraná participa da organização do Seminário de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas para Fins de Trabalho Escravo e Exploração Sexual, realizado plea Polícia Rodoviária Federal. O evento será realizado nos dias 30 e 31 de julho.
“Esse é um tema de extrema relevância e que precisa ser debatido. Foi apresentado na ONU, essa semana, um relatório que afirma existirem 370 mil trabalhadores em condições análogas à escravidão no Brasil”, explicou o secretário Elias Gandour Thomé.
O trabalho escravo é um dos objetivos mais comuns do tráfico de pessoas. O tráfico visa, ainda, a exploração sexual, a extração de órgãos, a adoção ilegal, o casamento forçado, entre outros. A Secretaria de Estado da Justiça é responsável pelo Núcleo de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas (NETP). “Temos trabalhado muito nesse sentido e aumentamos de 10 para 65 o número de casos acompanhados pelo NETP”, comentou o secretário.
Para participar do Seminário é preciso se inscrever no site da Secretaria: www.dedihc.pr.gov.br/modules/inscrit_quest/formulario.php?codigo=23
DIA DE COMBATE - 30 de julho é instituído o dia de combate ao tráfico de pessoas. Segundo o último relatório divulgado pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (Unodoc), em 2016, existia um total de 63,2 mil pessoas vítimas de tráfico. Os dados do relatório foram coletados entre os anos de 2012 e 2014 em 106 países e territórios.
Ainda segundo o mesmo relatório, na América Latina eram quase seis mil vítimas de tráfico, sendo que três mil casos foram registrados só no Brasil.
“Estamos trabalhando também em um protocolo de intenções para que possamos ter números mais claros sobre tráfico de pessoas. E só assim conseguiremos combater esse crime”, relata Elias Thomé.
Em 2016 o Ministério do Trabalho e Emprego fez sete operações no Paraná, em combate ao trabalho escravo. Na época, foram encontrados 17 trabalhadores em condições análogas à escravidão. Elias Gandour Thomé afirma que os números mostram como o Governo do Estado tem trabalhado para combater o trabalho escravo. “Pra se ter uma ideia, no Mato Grosso do Sul, por exemplo, que é um estado muito menor populacionalmente falando, foram encontrados 82 trabalhadores em situação de escravidão em seis operações do MTE”, ressalta ele.
O secretário comenta, ainda, que é preciso zerar os números e que o Paraná tem trabalhado para isso. “Fortalecer as políticas de apoio a migrantes e refugiados, principais vítimas do trabalho escravo, fomentar o crescimento econômico gerando mais emprego, são medidas que tem fortalecido o combate à escravidão”, explica.
SERVIÇO
Seminário de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas para Fins de Trabalho Escravo e Exploração Sexual
Data: 30 e 31 de julho de 2018
Horário: 9h às 17h
Local: Superintendência da Polícia Rodoviária Federal – Auditório
BR 476 | Linha Verde, 10.150 - esquina com Av. das Torres - Prado Velho - Curitiba